SINCODIV/SE - Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veîculos do Estado de Sergipe.

NotíciasSaiba tudo que acontece no setor.



Abr 27 2015

Tecnologia permitirá ônibus virtualmente conectados

  •  Segunda, 27 de Abril de 2015.

 Uma tecnologia em fase de testes pela Volvo Buses na Europa vai permitir que dois ônibus de tamanho padrão circulem virtualmente conectados, através de rede Wi-Fi, operando como se fossem um único veículo articulado. A novidade, apontada pela companhia como solução para aumentar a capacidade operacional dos BRTs nos horários de rush, deve chegar ao Brasil após homologação para vendas na Suécia, prevista para 2018. Antes, porém, precisa passar por todas as avaliações de segurança no país-sede da montadora.

Conectados a uma distância de até 2 metros, dois ônibus de 12 metros traçarão a mesma rota, parando juntos nos pontos e andando na mesma velocidade com apenas um motorista conduzindo o veículo da frente.

"Seria uma ótima solução para os corredores de alta demanda nos horários de pico, quando se precisa de mais veículos em determinada rota ao mesmo tempo. Funcionariam como um reforço à frota de ônibus articulados existente no corredor, transportando mais passageiros por hora", aponta o presidente da Volvo Bus América Latina, Luis Carlos Pimenta, que anunciou a novidade ao Observatório da Mobilidade durante a parada da regata Volvo Ocean Race em Itajaí, Santa Catarina, semana passada.

Pimenta ressaltou, porém, que o risco de acidentes é um dos fatores que ainda atrasam a aprovação da tecnologia. "Estamos terminando todos os testes e desenvolvimentos que vão anular qualquer risco", garantiu.

Apesar disso, a direção espelhada também é vista como uma vantagem para a segurança viária, já que cerca de 80% dos acidentes em estradas são ocasionados por falhas humanas, como excesso de velocidade e imprudência, segundo o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Outro benefício é a aceleração do fluxo dos veículos, já que os carros ficam mais próximos na pista.

De acordo com o executivo, o conceito já foi parcialmente testado nos caminhões e automóveis da marca na Suécia. Com o piloto automático, um caminhão segue o outro e os motoristas de trás só comandam a direção. A Volvo também já fez experimentos com uma fileira de carros sendo conduzida por um caminhão. A diferença para o modelo desenvolvido para ônibus é que a tecnologia Platoon vai dispensar a presença do motorista no segundo veículo, o que ainda não é tecnicamente possível.

Com giro de US$ 3 bilhões e 8 mil colaboradores, a Volvo Buses lançará em junho, na Suécia, seu primeiro ônibus 100% elétrico.

Curitiba receberá protótipos de ônibus elétricos híbridos

Curitiba será a primeira cidade brasileira a receber os protótipos de ônibus elétricos híbridos articulados que a Volvo está desenvolvendo no país. O presidente da companhia na América Latina anunciou, em Itajaí, que o início dos testes com passageiros na capital paranaense está previsto para 2016, junto com Bogotá, na Colômbia. O projeto ainda pode avançar para metrópoles como Rio de Janeiro, São Paulo e Santiago, no Chile.

Ambientalmente sustentável, o modelo tem dois motores (um elétrico e outro a diesel), gera energia pelo sistema de freios e tem a opção de receber recargas de até 6 minutos nas estações, suficientes para rodar até 10 quilômetros (tecnologia plug-in). O consumo de combustível e a emissão de gás carbônico podem diminuir até 75% em comparação com o ônibus a diesel. O gasto total de energia é reduzido em 60%. No entanto, o elétrico híbrido é 50% mais caro do que o convencional.

Inicialmente, dois veículos vão circular no corredor Linha Verde de Curitiba, e outros dois em rota ainda não definida pelo governo de Bogotá. De acordo com Luis Pimenta, os veículos são fisicamente similares aos articulados a diesel, com piso alto, tração no primeiro carro (e não no segundo, o que garante menos impacto nas frenagens) e capacidade para transportar 170 pessoas. Lançado comercialmente em agosto do ano passado, na Alemanha, o modelo já está em operação em Gotemburgo, na Suécia; Hamburgo, na Alemanha; e na cidade de Luxemburgo.

Fonte: Brasil Econômico – Brasil