SINCODIV/SE - Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veîculos do Estado de Sergipe.

NotíciasSaiba tudo que acontece no setor.



Abr 10 2015

Montadoras preveem retomada nas vendas de caminhões em 2015

  •  Sexta, 10 de Abril de 2015.

Com o pior desempenho entre os diversos segmentos da indústria automobilística brasileira no primeiro trimestre, o setor de caminhões deverá apresentar uma retomada gradual ao longo de 2015, mas ainda encerrará o ano com resultado pior que 2014.

A aposta é de executivos das principais montadoras, durante debate no VI Fórum da Indústria Automobilística.

Entre eles, a expectativa é de que as vendas internas devem encerrar o ano entre 80 mil e 100 mil unidades, o correspondente a quedas de 27% a 41% em relação aos 137 mil caminhões emplacados em 2014.

Para o diretor de vendas de caminhões da Volvo no Brasil, Bernardo Fedalto, a queda nas vendas no primeiro trimestre superou negativamente as expectativas do setor.

De janeiro a março, os emplacamentos caíram 36,16% ante igual período do ano passado, segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

"Daqui para frente, a tendência é de melhora muito lenta, gradual, de recuperação ao longo do ano", previu, ponderando que, apesar da retomada, dificilmente o segmento alcançará o nível de 2014.

O gerente de marketing e vendas da Ford Caminhões, Antonio Baltar, avaliou que o pessimismo está instaurado na indústria de caminhões. Segundo ele, a montadora tem sentido a crise de confiança na base de clientes, que provoca adiamento de compras. O executivo prevê que a indústria deve encerrar o ano com 100 mil caminhões vendidos. A projeção é compartilhada pela Iveco.

Para o vice-presidente da empresa no Brasil, Marco Borba, essa recuperação gradual virá de "uma demanda reprimida, que deve começar a acontecer no segundo semestre".

O vice-presidente de vendas, marketing e pós-vendas da MAN Latin America (fabricante de caminhões da Volkswagen), Ricardo Alouche, afirmou que a perspectiva que a marca tinha no ano passado de melhora em 2015 não se efetivou, em razão das mudanças na economia e na política implementadas pelo atual governo, que "têm demorado um pouco mais que prevíamos".

Ele observou que, se a média do primeiro trimestre fosse mantida, o segmento fecharia o ano com 60 mil caminhões emplacados. O executivo, no entanto, se mostrou um pouco mais otimista.

 

De acordo com ele, a montadora trabalha com uma projeção de 80 mil unidades vendidas em 2015. Alouche ponderou, contudo, que a retomada do setor ainda não deve ser notada em abril, mês com menor número de dias úteis deste ano, por conta dos feriados da Páscoa e Tiradentes.

"Tudo me leva a crer que abril também não será um mês tão melhor que março. Aí começa a faltar pouco tempo para alcançar as 100 mil unidades", justificou. Segundo ele, a MAN não vê nenhum "boom de mercado" suficiente para recuperar o ritmo de 100 mil unidades vendidas.

O diretor-geral de operações da Scania Brasil, Mathias Carlbaum, por sua vez, disse acreditar que a pior fase para o segmento de caminhões já passou. Prova disso seria o resultado de março, que já foi (25,76%) melhor do que fevereiro.

Diante dessa perspectiva, o executivo prevê que haverá uma "ligeira melhora" no resto do ano, "mas muito atrás" do que foi ano passado. Na avaliação da Mercedes-Benz, o principal fator negativo que afeta a confiança é a questão política, que, junto com crédito mais caro e menos acessível, tem feito o cliente "pensar quatro vezes antes de fazer financiamento".

Fonte: Exame Online