SINCODIV/SE - Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veîculos do Estado de Sergipe.

NotíciasSaiba tudo que acontece no setor.



Mar 10 2015

Acordo entre Brasil e México prevê exportação de US$ 1,56 bi

  •  Terça, 10 de Março de 2015.

Após várias rodadas de negociações, Brasil e México oficializaram ontem a renovação pelos próximos quatro anos do acordo automotivo, que venceria em 18 de março.

O anúncio foi feito no Palácio do Itamaraty pelos ministros das Relações Exteriores, Mauro Vieira, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto, e pelo secretário de Economia do México, Ildefonso Guajardo Villareal.

O governo brasileiro conseguiu evitar que o livre-comércio entre os dois países entrasse em vigor após o dia 18, como era previsto originalmente no acordo. Os mexicanos concordaram em manter o regime de cotas por pelo menos mais quatro anos.

Pelo acerto, cada país poderá exportar para o outro até US$ 1,56 bilhão nos próximos 12 meses, sem o pagamento do Imposto de Importação. A partir de março de 2016, a cota subirá gradualmente 3% ao ano. O que exceder a cota anual será taxado à alíquota de 35% como Imposto de Importação.

O ministro Armando Monteiro disse que a preservação das cotas é uma forma de compensar a diminuição das vendas do setor no mercado doméstico brasileiro, que "vive uma certa retração".

"A meu ver o sistema de cotas é o mais adequado levando em conta assimetrias no comércio Brasil-México", disse, mencionado a forte integração entre a indústria mexicana e a dos Estados Unidos.

A cota inicial estipulada na renovação é inferior àquela que estava valendo até agora, de US$ 1,64 bilhão, referente ao acordo assinado em 2012. O valor evoluirá dos US$ 1,56 bilhão acertados este ano para US$ 1,606 bilhão (2016-2017); US$ 1,655 bilhão (2017-2018); US$ 1,704 bilhão (2018- 2019).

O novo acordo manterá em 35% o percentual de conteúdo nacional exigido na produção dos veículos. A novidade é que esse percentual se estenderá também a autopeças. A partir de 2019, o índice passa a 40%,

O secretário de Economia do México afirmou que a grande vantagem do acordo é dar maior previsibilidade a um setor que responde por 46% do comércio bilateral entre os dois países, de cerca de US$ 10 bilhões por ano.

"É fundamental partir deste degrau para continuar construindo novas avenidas nas relações entre Brasil e México", disse Villareal. O secretário afirmou que a presidente Dilma Rousseff está sendo aguardada de braços abertos em seu país pelo presidente Enrique Peña Neto, que teria parabenizado o governo pelo acordo.

"É um bom acordo que prevê o aumento linear do comércio entre os dois países", disse o presidente da Anfavea, Luiz Moan, durante a cerimônia de assinatura.

Moan destacou a perda da competitividade da indústria brasileira diante da desvalorização do real ante o dólar e aumento das tarifas de energia, que elevaram os custos de produção e importação de insumos no curto prazo. "Em outra ocasião o Brasil também alterou o acordo para beneficiar os mexicanos", disse. Em maio o setor também deverá apresentar propostas para um acordo no comércio bilateral de veículos pesados.

Fonte: DCI – Negócios