SINCODIV/SE - Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veîculos do Estado de Sergipe.

NotíciasSaiba tudo que acontece no setor.



Jan 07 2015

Nissan produzirá novo modelo no Rio

  •  Quarta, 07 de Janeiro de 2015.

O presidente mundial da Nissan-Renault, o franco-brasileiro Carlos Ghosn, disse ontem que, independentemente da atual retração do mercado brasileiro de automóveis, a Nissan começará este mês a produzir na fábrica de Resende (RJ) um novo motor para carro popular, de três cilindros e 1,0 litro. A montadora vai investir R$ 100 milhões dentro do plano que prevê aplicação de R$ 2,6 bilhões no período 2013-2016.

Segundo as especificações técnicas da empresa, o motor desenvolve 77 cavalos de potência e 10 kgfm de torque, tanto com gasolina como com etanol. Vai equipar o sedã Nissan New Versa, que também passa a ser produzido este mês em Resende.

Com o novo motor, a montadora disse que foram contratados recentemente mais 25 funcionários, que se somaram aos 200 que integram a equipe de produção da unidade industrial de motores. Atualmente, a Nissan fabrica no Sul fluminense somente o motor de quatro cilindros e 1,6 litro.

Ghosn, que nasceu em Roraima mas desde cedo estudou na França, disse que a empresa manterá o plano de investimentos de R$ 2,6 bilhões para o período 2013-2016, independentemente da conjuntura atual do mercado de automóveis no Brasil, que mostra queda nas vendas. O executivo disse que está decepcionado com o mercado brasileiro de automóveis nos últimos dois anos, mas reafirmou que o país tem grande potencial de crescimento no setor automotivo. Ele citou que no Brasil são 175 carros para cada mil habitantes, ao passo que na Rússia essa proporção chega a 300, subindo para 500 em Portugal.

"O melhor que podemos esperar para 2015 é um mercado estável. O mais provável é que o mercado vai cair, mas tudo vai depender das decisões tomadas pelo governo e se vai ter alguma medida de suporte ao consumidor", disse ele, em encontro com jornalistas na sede da Nissan, no Centro do Rio de Janeiro. Ele exemplificou como "suporte ao consumidor" a redução do Impostos sobre Produtos Industrializados (IPI).

Fonte: Valor Econômico – Empresas