SINCODIV/SE - Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veîculos do Estado de Sergipe.

NotíciasSaiba tudo que acontece no setor.



Out 26 2012

Importadores buscam espaço no novo cenário

  •  Sexta, 26 de Outubro de 2012.

Definidas as regras do novo regime automotivo, as marcas que investem em fábricas no país correm para se habilitar ao programa e, com isso, obter cotas de importação mais confortáveis a partir do ano que vem. Além da Nissan, a primeira montadora habilitada, JAC Motors, Chery e, mais recentemente, BMW encaminharam seus projetos industriais ao governo e aguardam uma aprovação nos próximos dias.

Para entrar no regime, os planos de fábrica precisam, primeiro, passar pelo crivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Uma vez habilitadas, as empresas poderão importar um volume equivalente a 25% de sua futura capacidade de produção sem pagar os 30 pontos adicionais do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Para muitas marcas, isso significa recuperar vendas perdidas ao longo de 2012, quando importadores tiveram de encarar a cobrança extra do imposto ao longo de todo o ano. A JAC, por exemplo, já fez as contas e vê espaço para retomar os volumes de 2011, quando emplacou quase 24 mil carros.

A montadora está instalando uma fábrica em Camaçari (BA) para produzir até 100 mil carros. Poderá, portanto, trazer 25 mil unidades sem o IPI extra, além de gerar crédito tributário para a importação de outros 25 mil automóveis, que poderá ser usado quando a linha de montagem estiver pronta.

No dia 23, a direção da Chery informou que o compacto Celer será o primeiro carro a ser produzido na fábrica de Jacareí (SP), cujo início de operação é previsto até o fim do ano que vem, após investimentos de US$ 400 milhões.

Por sua vez, a JAC planeja montar em Camaçari um sucessor dos modelos J2 e J3, primeiro na versão hatch e posteriormente nas versões de utilitário esportivo e sedã.

Por outro lado, marcas com projetos em estágio inicial ainda digerem o novo regime automotivo, redimensionando seus planos ou, pelo menos, repensando estratégias de importação.

Fonte: Valor Econômico (Via Fenabrave)