SINCODIV/SE - Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veîculos do Estado de Sergipe.

NotíciasSaiba tudo que acontece no setor.



Jun 13 2011

Crise financeira provoca aumento de fraudes contra seguradoras nos EUA

  •  Segunda, 13 de Junho de 2011.

A crise financeira nos Estados Unidos está provocando um impressionante aumento nos casos de fraudes contra seguradoras de veículos. Segundo levantamento recente, os casos incêndio considerados suspeitos aumentaram 27% no primeiro trimestre deste ano, comparados ao mesmo período de 2008.

Motoristas endividados e sem condições de pagar as prestações e o custo operacional de seus veículos estão tentando resolver seus problemas incendiando os carros em regiões desérticas, afundando-os em lagos, jogando-os de precipícios ou abandonando-os no México. O mesmo estudo indica que o número de carros destruídos ou abandonados intencionalmente cresceu 24%.
 
Também cresceu o número de acidentes forjados, que aumentaram em 34%. Muitos dos envolvidos baseiam-se no fato de haverem pago seguros por muitos anos, achando que devido ao seu histórico os investigadores não suspeitarão de fraude. Os peritos admitem que o número de fraudes comprovadas pode ser maior, por ser impossível investigar minuciosamente cada caso de incêndio ou desaparecimento.
 
Outra forma de fraude é o roubo simulado, quando o proprietário vende o carro ou paga para uma gangue que o revende no mercado negro mexicano ou o desmancha para vender como sucata. O preço cobrado, neste caso, fica em torno de US$ 300 e os bandidos pedem aos proprietários que esperem três dias antes de comunicar o desaparecimento. Esta modalidade é uma das mais difíceis de provar, mas as autoridades policiais dizem que sua ocorrência é pequena.
 
As investigações mostram que há uma relação direta entre o endividamento dos proprietários, que muitas vezes atrasam várias prestações dos seus carros, com os pedidos de indenização fraudulentos. O que muitos não levam em conta é que, caso descobertos, continuarão tendo que pagar pelos veículos inutilizados e ainda correm o risco de serem condenados a até cinco anos de prisão.