SINCODIV/SE - Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veîculos do Estado de Sergipe.

NotíciasSaiba tudo que acontece no setor.



Ago 11 2017

Mercado de novos em fase de recuperação

  •  Sexta, 11 de Agosto de 2017.

Já estava virando clichê analisar as vendas de automóveis no Brasil e constatar, ao final de cada semestre, mais queda no número de emplacamentos. Mas depois de um 2016 piara lá de amargo, 2017 parece ter vindo com sinal de melhora. Pela primeira vez em quatro anos, o saldo é positivo, ainda que de forma fraca: nos sete primeiros meses, houve crescimento de 3,4% em relação ao mesmo período do ano passado nas unidades comercializadas de automóveis de passeio e comerciais leves. Em julho, a alta foi de 1,9% em comparação ao mesmo mês de 2016, apesar de ter ocorrido queda de 5% quando o parâmetro de análise é junho de 2017. Os números foram divulgados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Mesmo com esse aumento, o momento ainda parece ser de mais cautela. “O ano passado foi extremamente fraco, já estávamos abaixo do fundo do poço. Estamos vendo esforços das montadoras para desovarem seus estoques, com muitas promoções sem juros. Pelo que vejo, acredito que fecharemos 2017 com uma melhora de uns 5,5% ou 6% em relação a 2016. Não acredito em algo tão superior”, prevê Paulo Roberto Garbossa, consultor da ADK Automotive.
 
Para Alarico Assumpção Jr., presidente da Fenabrave, a instabilidade política no país segue como um problema grave para a indústria automotiva. “Precisamos ainda blindar a economia dessa questão política. Mesmo com esse cenário político lamentável, se separássemos uma da outra, a economia poderia estar um pouco melhor”, imagina. Entre todas as fabricantes nacionais, a que parece em melhor situação é a Chevrolet. Não foi a que mais cresceu - está longe disso, aliás -, mas conseguiu manter-se na liderança, com uma participação de 18,7% no mercado brasileiro. Esse número aponta, inclusive, uma discreta alta em relação ao índice obtido pela marca no primeiro semestre, que foi de 17,7%.
 
O principal responsável pelo avanço da Chevrolet é o hatch compacto Onix, o automóvel mais vendido do país, que acumula 98.469 emplacamentos nos primeiros sete meses de 2017. Mas Garbossa tem uma explicação piara esses resultados. “Há uns quatro anos, a Chevrolet estava em terceiro lugar, mas em processo de renovação de quase todo o portfólio. Trocou praticamente tudo. Isso traz perdas iniciais, mas é preciso lembrar que o mercado gosta de novidades”, explica.
 
Fonte: O Tempo – Super Motor