SINCODIV/SE - Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veîculos do Estado de Sergipe.

NotíciasSaiba tudo que acontece no setor.



Mar 02 2017

Exportações brasileiras para o Peru aumentam após acordos comerciais

  •  Quinta, 02 de Março de 2017.

As exportações para o Peru cresceram 32,6% em janeiro deste ano, na comparação com o primeiro mês do ano passado, para US$ 133,4 milhões. Também foi registrada alta das vendas brasileiras em 2016, em relação a 2015.

As estatísticas do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) indicam que os embarques reagiram bem aos compromissos assinados pelos governos dos dois países no mês de abril do ano passado.

Um deles, o Projeto de Protocolo Adicional ao ACE 58, reduziu as barreiras comerciais para negociações de veículos leves e picapes.

Os automóveis estão entre os itens que puxaram as exportações brasileiras para cima neste ano. A venda de veículos para até seis passageiros, por exemplo, cresceu 7,45%, para US$ 1,7 milhão.

Os produtos que geraram maior receita, entretanto, foram petróleo (US$ 15,6 milhões), ferro fundido (US$ 8,8 milhões) e tratores rodoviários (US$ 5,6 milhões).

Já o Acordo de Ampliação Econômico-Comercial foi anunciado pelo governo como "o mais amplo acordo temático bilateral já concluído pelo Brasil", por incluir capítulos de compras governamentais, serviços e investimentos.

"Esse acordo tem um enfoque bastante diferente do que aquele que estamos acostumados a ver", comenta Edgard Carneiro Vieira, consultor da Barral M Jorge, sobre o acerto, que ainda está sendo implementado pelos países.

A diferença está no fato de que o acerto vai além de aspectos comerciais ao possibilitar, por exemplo, que empresas brasileiras participem de licitações públicas no Peru sem o uso de intermediários.

Segundo o entrevistado, o acordo serve como um teste. "Se funcionar, algo parecido pode ser feito com outros países latino-americanos". Ele indica que as trocas comerciais devem avançar, neste ano, em parte por causa dos tratados.

Efeito Trump

Outro fator que pode ajudar as negociações é a falência do Acordo Transpacífico (TPP), cancelado pelo presidente americano Donald Trump.

Se entrasse em vigor, o tratado comercial, que contava com a participação dos peruanos, poderia incentivar as trocas do país com os outros membros do TPP, deixando o Brasil em segundo plano.

Em 2016, as vendas para o Peru subiram 7,3% e renderam US$ 1,949 bilhão. Já os gastos com importações somaram US$ 1,236 bilhão, queda de 1,6% ante 2015.

Neste ano, as compras brasileiras devem ser beneficiadas pela provável retomada da economia do País e pelo real mais valorizado.

Corrupção

O presidente peruano Pedro Pablo Kuczynski declarou, no começo deste ano, que a construtora Odebrecht terá que vender os projetos em que está envolvida e deixar o país.

A companhia é investigada por casos de corrupção em toda a América Latina e pode ter pago propina para ganhar licitações no Peru.

Ainda que o questionamento sobre o modus operandi da empresa brasileira tenha ganhado força em grande parte do continente, Vieira diz não acreditar que as investigações irão atrapalhar o avanço dos acordos econômicos.

"É possível que a Odebrecht não opere mais em alguns países, mas outras [companhias] não serão prejudicadas por esse motivo", afirma o consultor da Barral M Jorge.

Fonte: DCI - ECONOMIA