SINCODIV/SE - Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veîculos do Estado de Sergipe.

NotíciasSaiba tudo que acontece no setor.



Mar 01 2017

Prisma e Logan 2017 evoluem

  •  Quarta, 01 de Março de 2017.

Os sedãs Prisma e Logan apresentam atualizações importantes na linha 2017. Neste comparativo, o Chevrolet, que recebeu reestilização e ajustes nos motores, é representado pela versão LT, com seu 1.4 de até 106 cv e tabela a partir de R$ 54.890.

O Renault vem, na configuração Expression, a partir de R$ 53.500, com o novo 1.6 de até 118 cv da "família" SCe.

A boa posição de dirigir, o baixo nível de ruído e o aspecto mais moderno da cabine do Prisma agradam. Porém, além de ser mais rápido e espaçoso que o concorrente, o Logan custa menos, ganha em equipamentos e tem peças e seguro mais baratos, o que lhe garantiu a vitória no duelo.

Os dois sedãs estão mais econômicos. O consumo médio do Prisma baixou 18% e o do Logan, 21%, segundo dados das fabricantes. Contribuem com isso os novos câmbio manual de seis marchas do Chevrolet e o sistema start&stop do Renault, que desliga o motor em paradas prolongadas.

Essa dupla empatou no consumo urbano, com 13,0 km por litro de gasolina, de acordo com dados do Inmetro. Na estrada, o Prisma roda 15,4 km/l, ante 13,8 km/l do Logan, graças à sexta marcha, que ajuda a reduzir o giro do motor.

Em movimento, quem busca desempenho vai se dar melhor com o Logan. Seu novo 1.6, que é 12 cv mais potente que o anterior, garante boas respostas ao acelerador. O torque máximo surge a 4 mil rpm, mas mesmo assim as retomadas em giros baixos são convincentes.

O Prisma é ágil na cidade, mas fica aquém do rival em situações que exigem força, como aclives e retomadas, sobretudo quando está carregado. Por outro lado, o funcionamento de seu 1.4 é bem mais suave e silencioso que o 1.6 do rival, mesmo em rotações altas. No Logan, o ruído do 1.6 fica bem acentuado acima dos 80 km/h.

O Prisma que aparece nas fotos dessas duas páginas e também na capa do caderno é da versão LTZ, de topo na linha.

Fonte: O Estado de S. Paulo - Jornal do Carro