SINCODIV/SE - Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veîculos do Estado de Sergipe.

NotíciasSaiba tudo que acontece no setor.



Dez 16 2016

Fiat Chrysler adota nova estratégia para manter a liderança do mercado

  •  Sexta, 16 de Dezembro de 2016.

Com a competição cada vez mais acirrada no mercado brasileiro, a Fiat Chrysler Automobiles (FCA) trabalha para manter a liderança no Brasil. A estratégia inclui atacar diferentes nichos com as marcas do grupo, incluindo a Jeep.

"Temos flexibilidade para trabalhar com todas as marcas", afirmou nesta quinta-feira (15) o diretor comercial da FCA, Sérgio Ferreira. A Fiat manteve o título de líder em vendas de automóveis e comerciais leves do mercado brasileiro por 14 anos consecutivos até 2015. No entanto, no acumulado até novembro de 2016, o posto pertence à General Motors (GM), que lidera as vendas totais comparadas à Fiat.
 
"Se considerarmos os emplacamentos totais do grupo, incluindo a Jeep, mantemos a liderança", diz Ferreira. Apesar dos últimos lançamentos da FCA terem gerado filas de espera consideráveis, como é o caso da picape Toro no início do ano e atualmente do utilitário esportivo (SUV) Compass, da Jeep, Ferreira revela que o grupo perdeu um ponto percentual de market share neste ano. Contudo, para 2017 a meta é manter o desempenho em meio à retração do mercado. "Temos um programa de liderança global sustentável, porque não adianta aumentar as vendas e ter prejuízo."
 
Hoje, o grupo possui quase 800 pontos de venda e atendimento, sendo 200 unidades do selo Jeep e, o restante, da Fiat. "A rede foi concebida há alguns anos para atender a um mercado de 4 milhões de veículos, mas hoje o setor vende a metade", pontua.
 
Apostas
Segundo a empresa, cerca de 30 lojas foram encerradas neste ano. Com a perspectiva de crescimento baixo para o ano que vem, o grupo deve se apoiar em alguns segmentos para atravessar o período ainda difícil de 2017. "O segmento de modelos 1.0 foi o que mais caiu na crise. Mas acreditamos que, na retomada do mercado, este é o nicho que mais tem potencial para crescer", avalia Ferreira.
 
O executivo salienta que o compacto Mobi (Fiat), lançado neste ano, deve ser uma das estrelas do grupo. "Até superamos a meta de market share prevista para o modelo, mas devido à queda do mercado, o volume de vendas ficou aquém do esperado."
 
Conforme dados da FCA, o segmento de hatches compactos representa a maior parte das vendas de automóveis no País - aproximadamente 40,2% do total. Desse volume, cerca de 60% correspondem aos modelos de motorização 1.0.
"Há seis anos, somos líderes em hatches compactos 1.0. Com o Mobi, vamos aprofundar ainda mais essa liderança", garante Ferreira.
 
Mas para tanto, o executivo se mostra ciente da necessidade de melhora da confiança e do crédito. "Há sinais de que a concessão de crédito está melhorando, só falta uma retomada da confiança no País." Já os segmentos de maior valor agregado, destaca Ferreira, não têm sofrido com a questão do crédito. "Para este consumidor, o nível de aprovação é muito superior."
 
O SUV continua sendo uma grande aposta da FCA principalmente através da Jeep. Historicamente, a Fiat sempre se destacou por modelos com apelo mais "popular".
 
No entanto, o selo norte-americano - que ficou conhecido mundialmente pelos jipes - deve balizar o crescimento do grupo em utilitários esportivos. "Devemos liderar o segmento de SUVs em 2017", acredita Ferreira.

Hoje, o HR-V (Honda) é o líder de vendas do segmento, com 51,4 mil unidades no acumulado até novembro. O Jeep Renegade vem sem seguida, com 47,5 mil unidades. "Se mantivermos o atual ritmo de vendas em dezembro, podemos ter uma surpresa ao final de 2016", comenta Ferreira.
 
Outra grande aposta do grupo será a Toro. O lançamento ocorreu em março e o modelo já é a segunda picape mais vendida do País, com 35,9 mil emplacamentos até novembro, atrás apenas da Strada (também da Fiat), com 54,4 mil unidades vendidas no período.
 
"O mercado deve ter um crescimento modesto em 2017, de apenas um dígito. Mas nós vamos atuar como um grupo e atingir também as metas financeiras", aposta Ferreira.

Fonte: DCI – Negócios